Ponto V!

Home Arquitetura Testes em jogos Teste em jogos digitais
André Edmar Saar
Teste em jogos digitaisImprimir
Escrito por André Saar

Nesse primeiro artigo sobre teste em jogos digitais vou tentar mostrar um pouco de como esse mundo pode ser na prática. Apesar de não mais trabalhar diretamente no mundo dos games, tenho muito interesse no assunto e trato como um hobby importante. Deixo livre para comentários, pois como o objetivo é fomentar a discussão e ideias, por favor, caso tenha algo a acrescentar ou criticar postem que juntos vamos melhorando as coisas. Sempre podemos aprender mais.

Entendendo o que são testes em jogos digitais

Para iniciar, talvez seja mais fácil referenciar um pouco do que temos mais informação hoje em dia: o Teste em Software. Se vocês pesquisarem na internet irão conseguir achar muitas informações sobre Teste em Software. Algumas coisas podemos interpretar e trazer para o mundo de teste em jogos digitais.

Teste em software como disse Ron Patton em seu livro “Software Testing (2nd Edition) ” deve se basear em um objetivo simples: “Achar Falhas no software”. Porém apenas achar falhas nos deixa com alguns problemas, e uma grande pergunta: Quando devemos iniciar os testes? Um bom testador deve achar falhas no software, mas deve se preocupar em achar o quanto antes no ciclo de vida do sistema, com isso o custo de correção se torna menor. Assim, temos que o objetivo de um bom testador seja: “Achar falhas no software, e achá-las o mais cedo possível”. Ainda de acordo com Ron Patton em seu livro, podemos ver que esse objetivo não é o bastante, pois de nada adianta encontrar falhas rapidamente se não garantimos que essa será corrigida no sistema. Em suma, o objetivo de um bom testador é “achar falhas no software o mais cedo possível e garantir que essas sejam corrigidas”.

Desse mundo de teste em software vamos para os testes em jogos digitais, pouca coisa necessita mudar, pois o objetivo maior é achar falhas no jogo. Ao invés de testarmos o software estaremos jogando o jogo. Da mesma forma que no teste de software, no teste de jogos é importante achar as falhas o quanto antes e garantir que essas serão corrigidas.

Porém temos algumas diferenças nesses dois mundos, no software estamos preocupados que o sistema funcione conforme definido na especificação ou requisitos, que ele esteja de acordo com o que o cliente quer e se ainda formos um ótimo testador e o nosso processo dentro da empresa permitir, estaremos preocupados que o software esteja de acordo com o que realmente o usuário final (que na maioria das vezes não é o cliente para o qual estamos vendendo o software) necessita. Nos jogos, um bom testador (ou QA quality assurance) deve primeiro se questionar: “Esse jogo está de acordo com o jogador para o qual ele está sendo feito?” o impacto dessa pergunta para o mundo dos jogos é bem maior do que para o mundo do software, visto que o jogo é feito para pessoas se divertirem e ele só “se vende” se os jogadores realmente gostarem dele. Obviamente não estou dizendo aqui que se ele cumprir a essa pergunta o jogo pode sair com falhas. Você, como eu, já deve ter jogado algum jogo e encontrado uma falha, seja de tradução ou até travamento completo do jogo, você se lembra do que sentiu nesse momento? Essa sensação se for repetitiva gera um sentimento de desgosto e pode até virar raiva para o jogador. Se colocando no lugar de alguém que deve vender esse jogo, você acha que gerando um sentimento negativo nos jogadores irá conseguir vender seu jogo? Lembre-se dessa pergunta, mais adiante voltaremos a ela.

Entendendo melhor essa visão do jogador, chegamos à conclusão de que a importância dos testes em jogos está intimamente ligada a satisfação dos jogadores, produzida pela qualidade das emoções, sentimentos e superação de expectativas que jogo lhe causa.

A porta dos fundos da indústria

Uma carreira em teste de jogos pode ser muito interessante, porém como em qualquer outra área do desenvolvimento de jogos digitais, necessitamos de foco e conhecimentos específicos. Se buscarmos informações lendo alguns fóruns internacionais uma importante questão que aparecerá nos tópicos de teste em jogos são que testar os jogos é uma forma de entrar para a indústria de jogos digitais, isso parece ser verdade, depois você pode até conseguir mudar de área e seguir desenvolvendo ou criando jogos em Design ou Programação. Porém nesses artigos o que busco desenvolver é a arte de teste em jogos digitais, assim sendo, se você está buscando uma forma rápida e de fácil acesso ao mundo dos jogos, sugiro focar na atuação que realmente lhe interessa.

Cada vez mais as empresas buscam pessoas especificas, se você quer testar jogos sugiro que siga nessa área e encare realmente esse desafio, pois as empresas estão em busca de pessoas comprometidas. Querem grandes testadores e não robôs que acham erros. Aqui em nossas discussões busco envolver quem realmente quer seguir nessa área de qualidade em jogos digitais.

O mercado

Várias reportagens já afirmam: a indústria de entretenimento digital supera a de cinema e música.

clip_image002

clip_image004

Esse crescimento rápido e a evolução dos grandes estúdios, onde questões de usabilidade e jogabilidade se tornam requisitos básicos para o sucesso de um jogo, torna também importante um bom processo de qualidade e uma ótima equipe de qualidade.

No Brasil temos várias empresas, algumas podem ser encontradas nesse site: http://www.abragames.org/page.php?id=membros. Se você já quer tentar entrar nesse mundo, busque nelas uma vaga.

Como será meu trabalho?

Agora que olhamos um pouco do mercado e entendemos um pouco mais como esse mundo gira, vamos voltar aquela frase anterior, a frase do sentimento. Jogo busca realmente o que? Busca agradar de uma forma definida o jogador. Essa forma pode ser em diversão, conhecimento (educação) ou até mesmo algo mais integrado como gerar suspense com imagens e sons ou fazer os jogadores se comunicarem com todos seus amigos dentro do jogo. Nada impede do jogo fazer tudo isso. Hoje temos jogos só para meninas, temos jogos Casuais onde o objetivo é fazer o jogador jogar várias e várias vezes não se importando com um final definitivo. Como então iremos conseguir testar algo tão variável?

Primeiro temos que saber que como no software algo já vem definido até nós, o game designer do jogo que definirá se ele é para meninas, meninos, se causará suspense ou como realmente o jogo está sendo elaborado. Após isso nos temos que encarar a difícil tarefa de nos colocarmos e nos imaginarmos como sendo a pessoa escolhida na situação definida.

Temos ainda que se preocupar em conseguir olhar o jogo de diversas formas diferentes. Se você for homem, conseguiria testar um jogo só para meninas? Acredito que sim, mas jamais conseguiria testar melhor do que uma mulher que consegue sentir o que só uma menina irá sentir. Por esse e outros motivos empresas grandes tem variadas equipes de qualidade, muitas delas mulheres que conseguem melhor que alguns homens se colocarem no lugar do usuário final. No jogo não variamos apenas o sexo da pessoa, temos que pensar na pessoa em si, ai entramos no mundo da psicologia onde experiências de vida interferem diretamente na forma como uma pessoa “sente” a diversão do jogo. Algo que para mim seja extremamente divertido, para você pode ser sem graça. Você caro leitor, consegue entender onde quero chegar? Consegue ver o quão complexo pode realmente ser “testar jogos digitais”?

Vamos tentar dar um exemplo na prática: vamos testar um jogo!

Vamos dizer que estamos desenvolvendo um jogo simples, onde o objetivo principal é atirar em bichos e cada acerto gera pontos que são mostrados na tela para o jogador.

clip_image006

Esse jogo também foi idealizado para ser jogado por meninos de 10 a 15 anos. (obviamente a definição de um jogo é algo muito mais completo e complexo, mas para um exemplo simples isso basta).

Então, o jogo está pronto, a equipe de design já elaborou a ideia do jogo, o desenvolvimento o construiu e falta agora a etapa de testes, um beta do jogo interno antes de ser lançado ao público. Como você iniciaria esse teste?

Que tal jogarmos um pouco...

Jogando podemos ver que os gráficos não são os melhores, mas ok, isso já estava definido pelo design para ser assim mesmo. A primeira coisa que podemos fazer é o básico do jogo, atirar! Imaginamos então que exista muito sangue ao atirar em um bicho, o jogador de 10 anos pode até gostar disso, mas sua mãe que é responsável por ele e provavelmente quem irá comprar o jogo não irá gostar de ver o filho jogando algo assim. Olhando o documento de design do jogo verificamos que apenas foi descrito que deve mostrar a morte do bicho, porém muito sangue não está lá. Sugerimos então que a equipe de design do jogo repense isso, pois está incompatível com o jogador especificado. Aqui temos uma possível primeira falha, possível, pois quem define isso é o designer e não nós.

Continuamos a jogar, vimos que se atirar sem realmente mirar melhor o bicho acertamos nele mesmo assim. Um menino de 15 anos já consegue entender que isso não representa bem a realidade, uma segunda falha surge. Vamos então abrir uma falha a equipe de desenvolvimento para que trate melhor o objeto bicho.

Realizando mais um teste, agora podemos tentar atirar varias e varias vezes, bem rapidamente... chegou a um stress que o jogo travou. Como vocês já sabem, temos ai nossa terceira falha.

Poderíamos continuar a testar esse jogo o dia todo, buscando desde erros funcionais como se o score está sendo marcado corretamente até o próprio som que poderia estar inadequado, pois quando atiro e acerto em um bicho faz som de arma disparando e não som de bicho sendo acertado.

Dependendo de onde você trabalha ou irá trabalhar a empresa pode contar com uma ótima equipe de design e também bons programadores, assim esse tipo de erro dificilmente iria chegar até você. Talvez no processo dentro da empresa para poupar tempo não seria nem necessário executar testes assim, porém mesmo o processo não existindo ou não sendo importante dentro de sua empresa, não significa que não precisamos pensar em tudo isso. Esse tipo de pensamento e entendimento da situação que fará de você um bom testador de jogos. Esse será o seu trabalho, garantir que o jogo para o jogador (usuário final) esteja realmente de acordo com o que ele deverá sentir ao jogar.

Uma coisa importante que vale ser ressaltada é: Você deve se preocupar com a qualidade do jogo (produto) e não com a qualidade de quem o desenvolve, quero dizer com isso que seu trabalho é achar falhas do jogo e não falhas de quem o desenvolveu. Isso ocorre muito em Teste de Software, os erros não devem ser da pessoa e sim do projeto. Cuide para não virar um policial do projeto, esse não é seu papel e você pode arruinar sua carreira ao criticar as pessoas, deixe esse trabalho para quem é responsável por isso. Seu trabalho é o jogo, não as pessoas.

Entenda e esteja pronto para jogar e jogar, de forma repetitiva, de forma massiva o jogo mais simples. Tenha certeza que nem tudo será diversão!

Em um próximo artigo vou tentar falar mais sobre usabilidade e técnicas de teste em jogos digitais. Isso se altera muito dependendo do jogo (tamanho e complexidade) e também para quem ele é feito.

Deixo aqui alguns livros bons que podem ser lidos para entender melhor como testar um jogo e desenvolver melhor o pensamento do usuário final.

  1. Ergonomia e usabilidade: conhecimentos, métodos e aplicações. Walter Cybis, Adriana Holtz Betiol, Richard Faust. 2ª edição – São Paulo: Novatec Editora, 2010. O capítulo 10 fala em usabilidade em jogos.
  2. Game Testing All in One , by Charles P. Schultz, Robert Bryant and Tim Langdell. Course Technology © 2005 (520 pages) ISBN:1592003737. Esse livro só existe no exterior, uma pena, quem quiser pode comprar via internet. É também um dos poucos livros completos que só falam em teste de jogos. Os demais apenas falam em capítulos.
  3. Beginning Game Programming , Michael Morrison, Publisher: Sams, 2004. Esse livro é bom para testadores, pois da algumas explicações de como funciona um jogo. Isso nos ajuda a entender como testá-lo melhor.
  4. Beginning Mobile Phone Game Programming , Michael Morrison, Publisher: Sams, 2004. Da mesma forma como o anterior porem uma visão mais focada em jogos para celulares.
  5. Serious Games: Games That Educate, Train, and Inform . David Michael; Sande Chen, Publisher: Course Technology PTR. 2006. Muito interessante para quem busca conhecimento em jogos educacionais e “Serius games”. Serius Games são jogos focados a educação e um público alvo bem especifico. Um exemplo são jogos de simuladores para militares.

Para quem tiver mais interesse em teste de software:

  1. The Art of Software Testing, Second Edition . Glenford J. Myers; Corey Sandler; Tom Badgett; Todd M. Thomas. Publisher: John Wiley & Sons, 2004.
  2. Software Testing (2nd Edition) . Ron Patton. Publisher: Sams, 2005.

Um abraço e até o próximo artigo.


Comentários (18)
  • Tiago Peczenyj  - Parabéns
    avatar

    Ola

    Excelente artigo.

    Vale ressaltar que os testes de games provavelmente vc precisa de testadores com perfis diferentes, justamente para obter feedbacks diferentes. Dificilmente um jogo possui um publico alvo apenas, vc quer atender os heavy users à galera que joga de forma casual.

    A menos que o testador seja muito perceptivo e saiba como fazer esta diferença.

  • André Saar  - Obrigado Tiago.
    avatar

    Obrigado Tiago!

    Concordo contigo, a ideia é diversificar.
    Ainda mais que a dificuldade de achar pessoas com bom perfil de testes é mais difícil do que parece.

    Um abraço e valeu pelo post!

  • Tiago Peczenyj  - aproveitando...
    avatar

    André, vc acha que a capacidade de fazer um review (textual, completo) de um jogo está diretamente relacionado com a capacidade de testar o mesmo?

  • André Saar
    avatar

    Olá Tiago, vou tentar responder sua pergunta, porém fiquei na dúvida com ela. Não sei bem o que quis dizer com "fazer um review completo" ou "Capacidade de testar o jogo".

    Mas vamos lá:

    1 - Se sua pergunta foi com relação sobre saber se uma empresa ao fazer um review dos documentos antes de iniciar os testes práticos iria ajudar, minha resposta seria que sim, pois seria filtrado antes alguns problemas de design ou definições do jogo. Porém, vai de empresa para empresa, pois pode não gerar tantos benefícios dependendo de sua forma de trabalho.

  • André Saar
    avatar

    2 - Agora se a sua pergunta está relacionada a capacidade do testador, que se ele consegue fazer um review documental ele consegue testar bem um jogo, a minha resposta seria que depende do testador!
    Acredito que algumas pessoas podem ter uma capacidade boa textual e até lógica, porém ao jogar e realmente testar na prática podem não conseguir se colocar no lugar real do jogador, isso realmente é um talento.
    Esse talento pode ser desenvolvido na prática. Porém minha visão é que nada garante que ao entender bem o que o jogo quer passar para o jogador, o testador irá garantir que jogando ele consiga pensar nas diversas possibilidades que esse jogador irá passar. Por essas e outras, aquele seu primeiro comentário é real, vale mais ter uma equipe diversificada onde cada um encontre tipos de falhas diferentes.
    Espero ter respondido sua pergunta, e novamente obrigado pelo comentário!

  • Tiago Peczenyj
    avatar

    Respondeu sim.

  • carlos  - zera jogos em pouco tempo
    avatar

    Ola amigos sou meio leigo no assunto mas gostaria de uma opniao meu filho tem 14 anos sempre teve videogame hoje ele tem um xbox todos os jogos q compro pra ele ele zera no mesmo dia comprei um do dia das crianças principe da percia ele zero menos de 4 horas o estojo dele nao tem mais jogos ele zero tudo como poderia ingressar ele na carreira de games e se e normal ou ele tem uma capacidade maior em games.
    obrigado a todos.

  • Vinícius Godoy de Mendonça
    avatar

    Oi Carlos.

    A carreira de games é ampla. Seu filho tem uma capacidade ótima para jogar games. Ele poderia concorrer em algum campeonato, ou fazer vídeos de detonação, mas isso não é exatamente uma carreira exatamente do setor de desenvolvimento.

    A área de testes é um pouco mais complexa que isso. Veja as respostas que já demos abaixo.

    Mas claro, a paixão por jogar games é, geralmente, um ótimo motivador. Eu mesmo me interessei a programar por causa dos games. Aconselho que você dê uma olhada nesse artigo, e veja em que área seu filho se enquadra:

  • Rodrigo Campelo  - Heavy User
    avatar

    Carlos com certeza seu filho é um heavy user dos bons, mas nada garante que ele seja um bom testador. Ser um bom tester de jogos não depende apenas de gostar e zerar os jogos rapidamente, tem que ter um olhar crítico dos jogos não apenas com relação a percepção própria, mas pensando em todos os usuários. Eu diria que ele tem os pre requisitos básicos para ser um bom tester de jogos mas se será ou não vai depender dele. Acabei de entrar nessa área e o que posso dizer é que é muito interessante e vale apena! Se for o que ele quer pode ir em frente.

  • Vinícius Godoy de Mendonça
    avatar

    Sem falar que testar jogos não é tão divertido quanto jogar. Envolve prestar atenção à tudo que se faz, para que seja capaz de produzir um passo-a-passo capaz de reproduzir o erro. Envolve repetir vários trechos do jogo para retesta-los. E também, envolve jogar lendo um script, contendo absolutamente todos os segredos e locais do jogo que merecem testes.

  • Lorena Nascimento da Silva
    avatar

    André, muito bom o seu artigo. Comecei a me interessar pela área de testes em jogos por dois motivos. 1° eu assisti um filme que falava sobre isso e achei muito interessante e depois resolvi procurar mais a respeito. 2° algumas pessoas me dizem que sou crítica nas músicas que eu ouço, nos filmes que assisto e ja chegaram até a me dizer que eu assisto filmes procurando defeito. Mas pensando bem sou um pouco assim mesmo. Até que eu li vários artigos sobre essa carreira e me identifiquei bastante com ela. Parabéns por este artigo, tenho certeza que esclareu dúvidas de várias pessoas! ;)

  • André Saar
    avatar

    Obrigado Lorena e vai firme nessa área que é muito bacana mesmo!
    Precisamos de mais gente a fim de crescer na área de jogos e puxar essa área pra frente no Brasil.

    Abraço,

  • lucas
    avatar

    Andre como acho vagas nessa área?

  • Marcus Vinicius
    avatar

    André, eu queria saber como eu faço para me tornar um game tester eu sou muito bom em todos os jogos e descubro rapido todos os itens secretos

    Eu tenho 16 anos

  • André Saar
    avatar

    Olá Marcus.
    Não sei onde você reside, mas sugiro pesquisar e ver se não existe alguma empresa por ai. Como você ainda é novo, seria muito bom começar com estágio na área e desenvolver seus conhecimentos.

    Também é importante ir lendo sobre jogos e sobre testes. Você pode até buscar alguma experiência em teste de software e depois utilizar essa experiência e conhecimento para o teste em jogos.

    O mercado atual ainda é pequeno no Brasil, mas está crescendo. Fique ligado nas oportunidades e boa sorte na carreira!

    Abraço.

  • eloi  - oi andré
    avatar

    Olha no parana ou santa catarina ah alguma empresa que precisam de pessoas qualificadas em test games? tenho seis messes de experiencia..

  • Vinícius Godoy de Mendonça
    avatar

    Você deve procurar por empresas de games nessas localidades, como a Hoplon, Aduge, MonsterJuice, Positivo Informática, Oniria, etc.

    Se elas estão procurando gente, só uma pesquisa junto à seus RHs irá responder.

  • Ana Severo  - software
    avatar

    olá Andre,
    gostaria de algumas indicações de software para testes em jogos.
    Trabalhei com um chamado bugzilla, mas gostaria de mais indicações.

Escrever um comentário
Your Contact Details:
Gravatar enabled
Comentário:
[b] [i] [u] [url] [quote] [code] [img]   
:angry::0:confused::cheer:B):evil::silly::dry::lol::kiss::D:pinch::(:shock:
:X:side::):P:unsure::woohoo::huh::whistle:;):S:!::?::idea::arrow:
Security
Por favor coloque o código anti-spam que você lê na imagem.
LAST_UPDATED2  

Busca

Linguagens

Twitter